Entidades de Araranguá alertam população para aumento de 24,51% nos tributos municipais em 2021

Quatro entidades assinaram ofício e entregaram à Câmara de Vereadores, solicitando a alteração no índice de reajuste utilizado para reajustar os tributos municipais, do IGP-M para INPC ou IPCA. Se o pedido não for atendido, em 2021 araranguaenses vão custear 24,51% de aumento em impostos, como o IPTU

O índice utilizado para reajustar os tributos municipais pela Prefeitura de Araranguá está no radar das entidades da cidade. Nesta terça-feira (22), a União das Associações dos Moradores de Araranguá (UAMA), ACIVA, OAB e Sindicont entregaram à Câmara de Vereadores um ofício.

No documento, as entidades solicitaram ao Legislativo araranguaense a alteração no índice de reajuste da Unidade Fiscal do Município (UFM), que incide inclusive sobre o IPTU. Segundo o Presidente da UAMA, Lédio Pedro da Rosa, o índice utilizado atualmente é de mercado, quando deveria ser utilizado um índice público.

“Nossa sugestão é que seja utilizado INPC ou IPCA, que são índices do Governo Federal e que não tiveram um reajuste tão alto quanto o IGP-M”, disse.

Reajuste de 24,51%

De acordo com o vice-Presidente do Sindicont, Edio Silveira, se os vereadores não atenderem a solicitação das entidades, a população pode pagar um reajuste fora dos padrões em 2021. “Isso porque o IGP-M acumulou nos últimos 12 meses 24,51%, valor que será utilizado como referência para a Prefeitura reajustar os tributos no próximo ano”, pontuou.

“Todos aqueles que pagam tributos municipais vão ter esse reajuste, que infelizmente os mais pobres serão penalizados num momento de pandemia e de dificuldades financeiras”, ressaltou o Presidente da OAB Subseção de Araranguá, Laercio Machado Junior.

O Presidente da ACIVA, Alberto Sasso de Sá, pediu que a população se atente a essa pauta. “Acreditamos que não é o momento para um aumento tão alto. Estamos passando por uma pandemia, muitas pessoas estão passando por dificuldades financeiras. Em nossa cidade pessoas perderam emprego e renda e aquelas que continuam com seus empregos não terão um aumento de 25% nos seus rendimentos.” comentou.

Texto: Felipe Balthazar / Assessor de Comunicação

Foto: Divulgação